Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Onda Linux

Guardarei aqui as minhas experiências em Linux (coisas que funcionaram) como forma de ter um local aonde recorrer sempre que for necessário pois as vezes a memória nos atraiçoa. Aqui também serão divulgadas algumas notícias do mundo da Informática

Onda Linux

Guardarei aqui as minhas experiências em Linux (coisas que funcionaram) como forma de ter um local aonde recorrer sempre que for necessário pois as vezes a memória nos atraiçoa. Aqui também serão divulgadas algumas notícias do mundo da Informática

O meu primeiro Post - uma pequena reflexão sobre o software livre em Cabo Verde

ricardinoevora, 20.06.10

Não querendo por agora armar-me em expert em questões de software livre mas, penso que, sendo um tema actual sempre e sendo nós um país onde os recursos abundam por defeito, e num mundo globalizado, mais tarde ou mais cedo vamos ter que esbarrar na lógica dos direitos autorais e ter que pagar a alguém por uma licença de utilização de um S.O. qualquer ou de um software qualquer.

Economicamente pensando sendo que não sou nenhum economista, mas basta termos um dedo de testa para vermos que o zé povinho não vai poder viver eternamente no "Mascadjom*" eterno pois sendo Cabo Verde um País com quase meio milhão de habitantes (possivelmente mais quem sabe...) vamos ser notados com certeza e a pirataria de software existente por cá nesses lados do Atlântico médio vai ter que cessar.

Ora bem se cessar, alguém terá que pagar o preço e esse alguém é o usuário final que terá que pagar por cada licença de software que precisar de utilizar, e num pais pobre pode ser facilmente evitado, criando desde cedo nas escolas secundárias, Universidades cabo-verdianas o espírito livre que é a essência do Cabo-verdiano e esse espírito livre pode e deve ser pela adopção do software livre, como base essencial para o desenvolvimento de conhecimentos informáticos, para além de criar oportunidades de criação a curto médio prazo um SO livre baseado nas necessidades reais de um país arquipelágico.

Fazendo um exercício simples por exemplo o nosso NOSI -  poderia ser o motor dessa nova fase da economia de Cabo Verde, pois sendo um gabinete governamental com a nata das TIC de Cabo verde, já poderiam ter (não tenho conhecimentos que tenham) em forja um S.O. que sirva por exemplo para ser utilizado no programa do governo Mundu Novú, levando assim ao governo poupar milhões de contos, que seriam por exemplo na formação profissional (na área de desenvolvimento de software livre e manutenção de equipamentos com software livre instalados) de jovens para terem uma ferramenta baseada nessa filosofia, possibilitando assim os mesmos terem meios de sobrevivência (através de actividade geradora de rendimentos)...

 

Porque não ....

 

Fico  por cá sem deixar de enviar um abraço de agradecimento ao meu Amigo de luta João da Graça por me ter convidado a postar nesta ferramenta que tenho a certeza é a base em que nós todos amantes de software livre para um cabo verde 99.999999% Linux

 

 

*(termo crioulo que significa oportunismo, ou viver à custa dos outros ou do alheio)

Ubuntu 9.10 (karmic Koala) a vista!!!

terraterra, 10.10.09

Dentro de dezanove dias, ou seja, no dia 29 de Outubro vão liberar o Ubuntu 9.10 (Karmic Koala). Imagino que os entusiastas de Sofware Livre e especialmente os fãs do Ubuntu estão ansiosos por instalar o novo produto da Canonical acabadinho de sair do forno. Não sou bem um fã em primeiro grau do Ubuntu porque em primeiro lugar sou do Fedora, mas não posso esconder que também estou com imensa vontade de instalar esta novidade no meu PC, e então o Karmic Koala vai correr no meu PC juntamente com o Leónidas. Bem que eu gostaria de ter já testado a versão desde a fase Beta, mas como tenho que economizar os meus Megas, pois tenho um tecto muito reduzido (cerca de 5000 MB) o que não dá para muita coisa, vou ter que esperar para uma melhor altura para downlodar esta novidade. Já me imagino em jejum de Internet por alguns dias quando baixar o novo Ubuntu.

 

Software livre! Porque não?

terraterra, 08.10.09

 

Às vezes há essa tendência de pensarmos que tudo o que seja livre, grátis, não presta. Pois isso trata-se de uma premissa que muitas vezes não corresponde a realidade, principalmente quando estamos falando de software livre. Há uma imensa comunidade trabalhando no sentido de prover a world wide web com softwares destinados a todo o tipo de actividade imaginável.

 

Falando de Sistemas Operativos, acho que dever-se-ia apresentar esta alternativa Linux ao pessoal mais jovem desde as escolas bem como ao pessoal menos jovem a fim de que possam escolher em sã consciência qual o sistema Operativo que gostariam de usar e qual que mais lhes convém, com isto quero dizer que nas escolas seriam abordados em pé de igualdade o Linux, o Windows e o Mac OS.

 

Para o meu País acho que os Sistemas Operativos baseados em Linux são uma boa alternativa dada a condição económica da maioria da população. Por isso defendo o uso do que é criado pela colectividade objectivando servir a colectividade, ou seja do colectivo para o colectivo. O que podemos chamar de um produto nosso (falando no sentido global), pois cada um participa a sua maneira, com o que sabe fazer melhor. Uns participam criando softwares, outros contribuem com design, outros traduzindo documentos, empacotando softwares, ajudando na instalação e manutenção dos distros linux, dando contribuição nos forums e assim por diante.

 

Sejamos francos! Qual é a real possibilidade de um funcionário médio (ainda mais do meu querido Cabo Verde, um país que recentemente entrou no grupo dos países de desenvolvimento médio) manter um Sistema Operativo proprietário...usar aplicativos também proprietários e se manter actualizado? Já é com alguma dificuldade que arranjamos os hardwares...então sejamos livres! Não fiquemos dependentes dos softwares proprietários nem reféns da Microsoft, resistindo deste modo a um monopólio que não ajuda em nada as grandes massas. Não sou contra o uso de softwares pagos nem das empresas que os criam lançando-os no mercado muitas vezes a preços proibitivos. De certa forma essas empresas convidam as pessoas que não têm posses a piratear os softwares. Não que eu apoie a pirataria pois também defendo o respeito ao Direito de Autor. Dado isto, convido o pessoal a embarcar nesta nova filosofia pois para além de ser tecnologia informática trata-se já de um movimento, uma filosofia que vai ganhando corpo a cada dia. Temos a possibilidade de usar livremente bons Sistemas Operativos alternativos ao Windows e ao Mac OS. Há imensas vantagens em usarmos os Sistemas Operativos livres: As actualizações acontecem com maior frequência, alguns distros como por exemplo o Fedora e o Ubuntu têm nova versão a cada seis meses, o que possibilita a inclusão de novos recursos a medida que forem surgindo e a possibilidade de ter um sistema sempre actualizado; é grátis, o que significa que qualquer pessoa pode copiar e distribuir sem problemas; pode-se alterar o programa de forma a corresponder às nossas necessidades . Há um imenso "arsenal" de softwares livre que podem perfeitamente substituir os usados no Windows, há uma imensa comunidade que como uma família contribuí para o desenvolvimento de novos softwares e a manutenção actualizada dos já existentes e também há gente motivada para orientar tanto iniciantes como avançados em várias questões do dia a dia, fornecendo soluções e dicas para o quotidiano Linux, há muita documentação disponível e além de tudo isso é tudo grátis...Pois é nosso!

 

Iniciei com o Fedora 9 “Sulphur” há um ano, actualmente estou com o fedora 11 “Leónidas” e posso dizer que até agora só tenho razões de regozijo pois o sistema me satisfaz, há imensas possibilidades, vários aplicativos para diversas actividades e ainda, claro, sempre podemos adicionar mais programas consoante as nossas necessidades. Também estou experimentando o Ubuntu 9.04 “Jaunty Jackalope” e antes já tinha estado com o Ubuntu 8.10., O Ubuntu é outro distro com imensas possibilidades. Estes que eu conheço (Fedora e Ubuntu) têm uma interface gráfica bastante amigável e acho que uma pessoa que sempre esteve habituada ao Windows não terá dificuldade nenhuma em se adaptar, e, diferentemente do Windows, estes até hoje não bloquearam.

 

As crianças deveriam iniciar com o Linux, há imensos programas educativos que podem ajudar muito aos estudantes. Desde aplicativos para as matemáticas, desenho vectorial e mapa de bits, Física, Química, Astronomia, Geografia, Línguas, e também imensos jogos. Porque não dar uma chance a esses softwares livres? Não experimentar por preconceito é uma pena pois as pessoas estão perdendo. Há que haver essa diversidade de possibilidades tanto livre como proprietário, ter a possibilidade de escolha.

 

Deixemos o medo de experimentar de lado e avancemos!!!